Lamim conta hoje 308 anos: uma história que se confunde com o Espírito Santo

0
1120
Vista parcial de Lamim
Vista parcial de Lamim

A história de Lamim e do seu padroeiro, o Divino Espírito Santo se confunde. Isto porque o dia 31 de maio de 1710 relembra a fundação de Lamim e coincide em alguns períodos com as festas de Pentecostes.. Segundo  o  manuscrito do ilustre Professor João Medeiros Duarte, escrito entre 1850 e 1900 os desbravadores bandeirantes Francisco de Sousa Rego, Pedro Manoel da Rosa e José Pires Lamim, naturais da Ilha de São Miguel, Portugal, aqui chegaram  partindo de Itaverava. Em sua bagagem traziam a bandeira em cetim com a Pomba Celeste,  armas, sementes e alimentos.

Vista parcial de Lamim
Vista parcial de Lamim

Vê-se que a história de fundação de Lamim se deu por informações que foram passadas oralmente e deixadas escritas pelo ilustre professor Duarte de Medeiros.

Observando o supercalendário podemos verificar que há uma verdade com relação a data, o dia 31 de maio de 1710. Era realmente  um sábado. E segue a narrativa de que aquela noite estava muito escura e os causava medo. Também procede. A fase da lua era nova já pelo 3º dia, portanto, a lua não estava luminosa.

O que na verdade não bate é o dia 1º de junho, o domingo. Ali, no manuscrito do brilhante professor, diz que era dia do Espírito Santo. Não é verdade.

Observando o calendário de 1710, aquele dia, 1º de junho, não era dedicado ao Espírito Santo, visto que Pentecostes naquele ano ocorreu apenas no domingo seguinte, em 8 de junho. Apesar de haver se sustentado até os nossos dias de que os bandeirantes chegaram a Lamim no dia de pentecostes, esta afirmação está descartada. O certo é que os três portugueses eram devotos do Divino e fincariam aqui  a bandeira do Divino, simplesmente por serem devotos do Espírito Santo, devoção já muito arraigada em Portugal e nas ilhas portuguesas.

Como a região era pobre em ouro a história de Lamim se amarra na devoção ao Espírito Santo numa quase simbiose. Basta observar que o Hino de Lamim, escrito na segunda metade do séc XX por Mozart Bicalho, é de certa maneira um hino sacro. Enquanto em muitos municípios se fazem alusão às riquezas minerais, em Lamim, a fonte que eterniza o sadio orgulho do seu povo  é o Espírito Santo.

Segue o Hino de Lamim

Lamim, tu és um jardim
de rosa e jasmim do Espírito Santo.
Terceira da Santa Trindade
que tem lealdade, tem vida e encanto.

Teu canto é a clarinada

de uma alvorada, de fé e de amor.

Ao Pai, ao Filho, à Maria
a Mãe da alegria e do esplendor

As terras de tuas fazendas
são mui lindas prendas
de Minas Gerais
São ricas e abençoadas e são irroradas
de ardor e ideais.

Teu povo é independente
e muito sente o fervor varonil.
Trabalhando pela grandeza e pela
riqueza do nosso Brasil.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here